quarta-feira, 14 de novembro de 2018

As histórias fazem mal às crianças!

Neste início do ano, aqui fica um texto escrito e lido por Eduardo Sá. Foi apresentado no "10 de letra - jornadas literárias", que se realizou no Auditório Maestro Frederico de Freitas (SPAUTORES), no dia 19 de abril.
O texto pode ser lido aqui.


quarta-feira, 24 de outubro de 2018

A Casa do João nº 5


Saiu o nº5 da revista de Literatura Infantil e Juvenil dirigida a crianças, pais, educadores e professores, da responsabilidade do escritor João Manuel Ribeiro, "A Casa do João". Ela pode ser lida aqui ou descarregada aqui.

Os temas deste trimestre são:

EDITORIAL
Formar leitores, um trabalho de sempre

UMA HISTÓRIA POR DIA DÁ SAÚDE E ALEGRIA!

GALERIA: QUEM É QUEM
José de Lemos: escritor e ilustrador…

FOMOS VER
Entrevista a Bolota

UAU!
1 - ELF – Educação Literária Familiar
2 - “Makerspace BMI -Juntos fazemos!”
3 - Livraria Velhotes

OS NOSSOS PARCEIROS
A Orquestra Energia

LEMOS, GOSTÁMOS E… RECOMENDAMOS!

DOSSIER LEITURA
A leitura em voz alta

APROVEITA E EXPLORA
Dicas de escrita

A PALAVRA É TUA
Pequenos grandes escritores

PARA BRINCALHARES

PARTICIPA NISTO
Passatempo

SAIU NA IMPRENSA

NOTÍCIAS

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Dia das Bibliotecas Escolares



O Plano Nacional de Leitura 2027 felicita as Bibliotecas Escolares portuguesas pelo seu trabalho diário de formação de leitores.

A biblioteca escolar destaca-se pela sua centralidade física e simbólica, constitui-se como um espaço físico e digital aberto, onde todos são bem-vindos, incrementando a ideia de uma cultura de leitura e escrita nas escolas.

Aprender a ler e ler para aprender são processos fundadores indissociáveis da ideia de educação. É necessário que na escola se leia de todas as maneiras, de forma autónoma e orientada, individualmente, a par e em grupo, em voz alta e silenciosamente, de forma extensiva e intensiva, sempre e em todo o lado, para aprender a manejar a informação de forma ética e crítica, estruturar o conhecimento, melhorar a aprendizagem e aumentar o sucesso educativo.

Com o objetivo de dar resposta a esta necessidade, o Plano Nacional de Leitura e as bibliotecas escolares juntam esforços para, colaborativamente, promoverem:

- a inclusão de períodos diários para a prática individual da leitura pelos alunos, com a iniciativa "10 minutos a ler";

- a gestão e o empréstimo às turmas de caixas com conjuntos de livros iguais para serem lidos sob a orientação do professor;

- a celebração de contratos de leitura autónoma com os alunos, tendo em conta as recomendações e as sugestões do Plano Nacional de Leitura 2027;

- o empréstimo e a circulação de livros entre a escola e a casa dos alunos para a leitura em familia;

- concursos, projetos, iniciativas várias que contribuem para fazer leitores.

1. É essencial que existam espaços, tempos e oportunidades nas escolas para estimular o prazer de ler. A aquisição de hábitos de leitura e do prazer de ler exige uma prática regular da leitura, o envolvimento emocional e a motivação pessoal dos leitores através de um exercício livre e voluntário. O acesso facilitado a um espaço de liberdade, de leitura independente, de iniciativas diversificadas de caráter informal concorre para estimular o prazer de ler e formar leitores para a vida. Sendo também um espaço para brincar e aprender de forma recreativa, a biblioteca escolar desenvolve, através dessa diversão em grupo, as capacidades intelectuais, linguísticas e socioafetivas dos alunos.

2. Hoje não basta saber ler. É necessário ler muito bem, independentemente do que lemos, das razões por que lemos, das linguagens, dos textos, dos meios, dos suportes e dos lugares físicos ou virtuais em que nos encontramos, e para isso é exigida uma competência muito sólida em leitura e escrita. Esta exigência de aquisição de uma nova competência leitora e de novas literacias implica repensar os ambientes e os modos de aprendizagem atuais. As bibliotecas escolares têm, neste contexto, um papel catalisador.

3. A biblioteca escolar é um espaço de leitura funcional e informativa, autónoma, onde se descobre e se sustenta o gosto pelo saber, onde é possível ler, investigar e usar de forma livre e com segurança todo o tipo de recursos, impressos e digitais, independentemente do seu formato e da forma de acesso, presencial ou online.

4. Como não só de literacia verbal se faz hoje a leitura, é também possível na biblioteca desenvolver muitas outras formas multissensoriais que se combinam cada vez mais com a palavra escrita e oral, dando lugar a uma nova multialfabetização ou transalfabetização que também a biblioteca deve acolher.

5. A escrita hoje, induzida por novos ambientes digitais e dispositivos móveis, faz-se maioritariamente em ecrãs, associando-se cada vez mais à oralidade e a outras linguagens e formas gráficas e visuais de comunicar, através do Facebook, do Youtube, do Instagram e de outras redes sociais. Por exemplo, como estratégia de motivação e pretexto para o exercício criativo da leitura e da escrita, pode recorrer-se às práticas correntes de escrita dos jovens em plataformas de Fanfic, grupos de leitura e escrita no GoodReads e Wattpad, produção de booktrailers, aplicações de storytelling, etc.

6. Hoje em dia, não só consumimos mas também produzimos informação. As bibliotecas são um espaço de produção e comunicação da imagem e da palavra, onde é possível aprender a trabalhar com tecnologias, plataformas e ferramentas digitais para a criação, a representação e a partilha da informação e do saber, independentemente da sua natureza, suporte ou formato.

7. A leitura é uma atividade social e as bibliotecas, um espaço público comunitário de encontro, empatia e inclusão, onde é possível socializarmo-nos e abrirmo-nos a outros olhares, realidades e modos de viver, ler e sentir.

8. As bibliotecas escolares são, igualmente, um espaço performativo de fruição estética e expressão cultural, onde se pode participar em atividades festivas, eventos artísticos e experiências vivas de leitura explorando a dimensão ostensiva, cénica e pragmática da leitura e dos textos

Aos professores bibliotecários, aos coordenadores interconcelhios, aos docentes e a todos aqueles que, todos os dias, constroem leitores nas e com as bibliotecas escolares, uma saudação especial no Dia das Bibliotecas Escolares.

Drª Teresa Calçada

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Aos leitores


           Ler é um prazer. Mas só para alguns. Para quem cresceu entre livros, por exemplo, e conquistou, a cada página lida, o gosto pela leitura. Ao mesmo tempo, descobriu que cada livro guarda dentro outros mundos, outras pessoas, outros lugares, outros tempos, outras memórias, outras formas de ser, de estar, de sentir, de comunicar, de rir... E essa descoberta, intimamente ligada à preservação da capacidade de espanto que caracteriza a infância, terá sempre alimentado a vontade de continuar a ler. Por prazer, não por obrigação.

            Não é muito diferente do que acontece com outras atividades que preenchem o nosso quotidiano, como comer ou fazer exercício físico. Comer pode ser um prazer, para quem desde cedo aprendeu a distinguir o sabor dos alimentos; fazer exercício físico também pode ser um prazer, para quem cresceu a fazer cambalhotas e pinos, a jogar à bola e a correr atrás dos amigos. É certo que todas estas atividades, sendo à partida naturais, implicam depois uma decisão e uma prática. No caso da leitura, essa decisão e essa prática dependem, muitas vezes, de quem nos rodeia: das famílias, dos amigos, dos professores... Se quem nos rodeia tiver a capacidade de nos contaminar com boas leituras, leituras que alimentem a nossa curiosidade e estimulem a nossa imaginação, de certeza que cresceremos leitores.

            É também esse o momento em que se torna fundamental o papel do Plano Nacional de Leitura, fornecendo coordenadas para que a leitura se torne um prazer, isto é, sugerindo livros capazes de entusiasmar não apenas os que já são leitores, como aqueles que ainda não são. Funciona como um mapa, útil em qualquer viagem, sobretudo em viagens por territórios desconhecidos, e pode ser usado para orientar leitores de todas as gerações. Assim como para dar pistas para que as famílias e os professores saibam o que partilhar com os leitores mais novos, e até entre si.

            Essa troca — de professores com alunos, de famílias com professores, de pais com filhos — é essencial para formar leitores e para, no meio das dezenas de livros que são diariamente publicados em Portugal, distinguir os melhores. Só deste modo será possível criar uma rede em que os livros, escolhidos por especialistas, possam circular pelas mãos dos leitores, os que já o são e os que se tornarão. A leitura implica essa prática. E essa conquista.


sexta-feira, 21 de setembro de 2018

As falsas notícias bem explicadas!

(Clicar sobre a imagem para ver o vídeo)

As redes sociais são hoje pontos de passagem obrigatórios para campanhas de apoio a causas ou pessoas e para a divulgação de notícias, mas também é por elas que circulam todo o tipo de mentiras e manipulações. É o poder do "like" e da "partilha" para o melhor e para o pior.
Há muito que a internet e as redes sociais deixaram de ser apenas um local onde se podem trocar informações ou encontrar amigos.

As eleições presidencias americanas de 2016 ou o Brexit, a consulta popular que decidiu a saída do Reino Unido da União Europeia, podem ter sido alvo de manipulação através das redes sociais. Por ali terão circulado notícias fíctícias e perfis falsos com o objetivo de influenciar as decisões dos eleitores  utilizando o conhecimento recolhido pela sua actividade online.

A manipulação está a alcançar níveis de sofisticação nunca antes visto, que incluem a utilização de tecnologia que permite alterar os discursos em video."

Retirado daqui.

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

A importância da educação para os média

(Clicar sobre a imagem para ver o vídeo)
"Utilizar e decifrar os meios de comunicação social e compreender o funcionamento da internet e das redes sociais são objetivos da educação para os media. Esta área tem ganho importância porque parte importante da população produz e distribui conteúdos nas redes sociais e noutras plataformas digitais.
Os especialistas consideram que esta nova capacidade de produção e distribuição é uma das principais razões para a educação para os média assumir uma importância cada vez maior nos currículos escolares. Há mesmo quem defenda que devem ser ensinadas nas escolas noções básicas de jornalismo para que este cidadão produtor de notícias aprenda a separar factos de rumores e realidade de ficção.

Uma sólida educação para os média permite também ter noção do valor da informação, pois a qualidade tem um preço e nem sempre é possível produzir dados consistentes se não existirem formas de financiar esse trabalho. Por outro lado um público educado não deve ser olhado como uma ameaça para os meios de comunicação porque um cidadão crítico e exigente contribui  para melhorar a qualidade dos conteúdos."
Retirado daqui.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Novo catálogo do PNL

"Livros recomendados pelo Plano Nacional de Leitura 2027
O PNL2027 divulga novo catálogo.
O Plano Nacional Leitura 2027 acaba de divulgar, no novo Portal, a lista de livros recomendados no  1.º semestre de 2018. Estas orientações e sugestões de leitura, incluem agora novos  e variados temas,  destinando -se a públicos mais diferenciados, desde as crianças aos adultos, e passando a ter uma periodicidade semestral.

Os livros que constam das listas PNL2027 resultaram de uma seleção prévia feita pelas editoras posteriormente apreciada por um conjunto de especialistas independentes, de reconhecido mérito e qualificação nas diferentes áreas do saber.

Este ano, pela primeira vez, o PNL disponibiliza as listas de livros num catálogo online construído em parceria com a Rede de Bibliotecas de Lisboa (BLX), cuja pesquisa pode ser realizada no próprio portal do PNL2027 ou da BLX , constituindo-se como catálogo de referência  na área da leitura. As duas entidades têm a satisfação de, assim, promover um muito diversificado conjunto de obras de interesse para os leitores, mediadores e animadores de leitura, professores, editores e livreiros e para todos os que amam os livros e querem partilhar esse gosto com outros.

Está lançado o convite para uma visita às listas através dos portais PNL e BLX! Boas leituras!"

terça-feira, 17 de julho de 2018

O sexo dos anjos - uma sugestão de leitura




"E de súbito, nas noites da rádio, um programa falou de sexualidade de um modo terno e audacioso, rigoroso e divertido. E isso aconteceu tanto a propósito de um filme, da carta de um ouvinte, de um poema de Eugénio de Andrade ou de um romance de Kundera.
Este livro, recolhe uma série desses programas, acompanhada de novos textos do autor."

"Médico psiquiatra, Júlio Guilherme Ferreira Machado Vaz nasceu no dia 16 de Outubro de 1949, na cidade do Porto. Esta cidade, aliás, é a sua cidade eleita desde sempre: é no Porto que sempre residiu e onde trabalha. Psiquiatra conceituado, é professor auxiliar e regente da cadeira de Antropologia Médica do curso de Medicina no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, da Universidade do Porto. Após um estágio no estrangeiro, Machado Vaz ficou atraído pela área da sexualidade e apostou em aprofundar este tema que ainda tem muitos mistérios e tabus para os portugueses. No seu consultório privado recebe muitas pessoas com dúvidas e problemas neste assunto. Exerce a função de co-director do Mestrado em Sexologia na Universidade Lusófona, e Membro da Comissão de Ensino da Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica. Como director clínico da Comunidade Terapêutica para recuperação de toxicodependentes de Adaúfe, apoia e auxilia os toxicodependentes a encontrarem um caminho mais positivo e sem drogas. Autor de vários livros, entre eles O Sexo dos Anjos, de 1991, O Fio Invisível, de 1992, e Sábados, Domingos e Outros Dias, de 1993. Muros é o seu primeiro romance, a que se seguiu Conversas no Papel, de 1997, e Estilhaços, de 2000. Neste último livro, Júlio Machado Vaz evidencia de novo o seu talento para lançar pontes sobre a distância que separa as diferentes gerações. Colabora com diversos meios de comunicação tais como jornais e TV, em debates e programas sobre sexualidade e assuntos actuais. Teve um programa na rádio intitulado “O Sexo dos Anjos”, durante mais de sete anos, que falava de sexualidade de um modo divertido e bastante inovador e foi durante dois anos, responsável pelo programa de televisão “Sexualidades”, onde abordava este tema de uma forma muito natural, simples e sem tabus."

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Texto do 5ºA premiado pela Ajudaris



A nossa escola e, particularmente, o 5ºA estão de parabéns! O texto "Natureza" foi selecionado para fazer parte do livro "Histórias da Ajudaris 2018". Este ano, das mais de 2000 histórias recebidas sobre a natureza, foram seleccionadas 911.

O projecto “Histórias da Ajudaris”, criado em 2009, é um dos projetos mais inovadores e emblemáticos da Ajudaris, promovendo a leitura, a escrita, a arte e a solidariedade. As crianças participantes, com a orientação de professores, tornam-se verdadeiros autores de histórias de encantar, sobre temas como a solidariedade, os afetos, a cidadania, o ambiente, os valores, entre outros. Cada história conta com um ilustrador solidário que colhe inspiração na história que lhe for atribuída, dando cor e vida às suas personagens e cenários. Os artigos postos à venda irão contribuir para sorrisos de crianças, jovens e adultos carenciados."

A nossa escola participa, pelo terceiro ano consecutivo, nesta iniciativa. Fê-lo em 2016 com o texto "Animação na horta" do 6ºC e em 2017 com "Mistérios" do 6ºC.

Simples, o texto do 5ºA, um poema, lembra como a Natureza é bela e quão preciosa ela é para todos os seres vivos!

Natureza

Gosto de ti quando o teu céu é azul.
O teu sol dá luz à nossa vida.
As andorinhas cantam quando o sol brilha.
Ver as flores a florir é uma alegria!
Olhar o verde da relva é maravilhoso!
És a origem da nossa felicidade! 

Tu és a vida que nos sustenta.
És um bem precioso para os seres vivos.
És fonte de saúde.
Gosto de ti quando estás tranquila!
Tu és tão bonita!


Este ano, também foram premiados  os textos das escolas do 1º Ciclo de Gens (4º Ano), do Outeiro (1º, 2º, 3º e 4º Ano), Atães (1º, 2º 3º Ano) e Jancido (3ºAno). Parabéns a todos, alunos e professores!

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Eça agora - uma sugestão de leitura!



"A reinvenção das personagens de Eça de Queiroz numa história alucinante dos autores de O Código d`Avintes.

Tudo começa no Alegrete, palacete meio arruinado em que vive Afonso da Maia, avô de Carlos da Maia, jovem médico que se apaixona por Maria Hermengarda, fugindo dos ataques sensuais da Condessa de Varinho e deixando de lado a espampanante Lara Marlene, filha do riquíssimo Silvestre do Ó Saraiva, construtor civil que fez a sua larga fortuna através de métodos muito pouco recomendáveis. 
À volta de Carlos movimentam-se Damásio Malcede, o lisboeta novo-rico, João da Régua, o eterno futuro-ministro, o Palma Cavalito, director da Trombeta do Demónio, e muitas outras personagens herdeiras dos famosos "Maias" que se movimentam freneticamente numa crónica de costumes ao gosto deste tempo prodigioso do replay e do fast food. 
No meio deste enredo surge mesmo o espírito de Eça de Queiroz a pôr alguma contenção a personagens e autores.

Num registo entre o queirosiano e a telenovela, quiseram os autores, cada um a seu modo, aplicar-se num enredo paralelo ao de Os Maias, observando a sociedade portuguesa do início do século XXI pelo monóculo risonho e severo do grande Eça. Resumiu um deles: "Certamente, o Eça escreveria melhor mas não diria pior."

EXCERTOS
"Pretendemos escrever um livro irreverente mas não ofensivo, embora a tentação fosse grande ao retratarmos algumas personagens demasiado características para ficarem de fora. Há-as por todos os lados. Mas, como diz o Ega, «não sabe a gente para onde se há-de voltar… e se nos voltarmos para nós mesmos, ainda pior!» 
Então, como não nos consideramos acima da crítica, critiquem-nos, o que significa leiam-nos, contestem-nos, o que equivale a falar dos Maias, censurem-nos, mas, acima de tudo, divirtam-se. Pois se assim não for ouvir-nos-ão dizer queirosianamente, todos de monóculo, todos de bengala, todos de chapéu alto: 
- Que ferro! Esquecemo-nos de mandar fazer para o jantar um grande prato de paio com ervilhas!""

(Clicar sobre a imagem para começar a ler e, depois, requisitar na Biblioteca)


segunda-feira, 9 de julho de 2018

"Eu, Malala" - uma sugestão de leitura


"Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 3º ciclo, destinado a leitura autónoma.

No dia 9 de outubro de 2012, Malala Yousafzai, então com 15 anos, regressava a casa vinda da escola quando a carrinha onde viajava foi mandada parar e um homem armado disparou três vezes sobre a jovem. Nos últimos anos Malala - uma voz cada vez mais conhecida em todo o Paquistão por lutar pelo direito à educação de todas as crianças, especialmente das raparigas - tornou-se um alvo para os terroristas islâmicos. Esta é a história, contada na primeira pessoa, da menina que se recusou a baixar os braços e a deixar que os talibãs lhe ditassem a vida. É também a história do pai que nunca desistiu de a encorajar a seguir os seus sonhos numa sociedade que dá primazia aos homens, e de uma região dilacerada por décadas de conflitos políticos, religiosos e tribais. Um livro que nos leva numa viagem extraordinária e que nos inspira a acreditar no poder das palavras para mudar o mundo."

Iniciar a leitura do livro aqui e, depois, é só requisitar na Biblioteca.


Para conhecer o que Malala faz, visite o site Malala Fund.

terça-feira, 3 de julho de 2018

"As vinhas da ira" - uma sugestão de leitura


"Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o Ensino Secundário como sugestão de leitura.

Na década de 1930, as grandes planícies do Texas e do Oklahoma foram assoladas por centenas de tempestades de poeira que causaram um desastre ecológico sem precedentes, agravaram os efeitos da Grande Depressão, deixaram cerca de meio milhão de americanos sem casa e provocaram o êxodo de muitos deles para oeste, rumo à Califórnia, em busca de trabalho. Quando os Joad perdem a quinta de que eram rendeiros no Oklahoma, juntam-se a milhares de outros ao longo das estradas, no sonho de conseguirem uma terra que possam considerar sua. E noite após noite, eles e os seus companheiros de desdita reinventam toda uma sociedade: escolhem-se líderes, redefinem-se códigos implícitos de generosidade, irrompem acessos de violência, de desejo brutal, de raiva assassina. Este romance que é universalmente considerado a obra-prima de John Steinbeck, publicado em 1939 e premiado com o Pulitzer em 1940, é o retrato épico do desapiedado conflito entre os poderosos e aqueles que nada têm, do modo como um homem pode reagir à injustiça, e também da força tranquila e estoica de uma mulher. As Vinhas da Ira é um marco da literatura mundial."

É, sem dúvida, um livro soberbo, tal como o filme que pode ser visto aqui.

Mais informações sobre o livro podem ser lidas aqui, aqui aqui.

Para começar a ler, clicar sobre a imagem abaixo.

Também ler ou fazer o download aqui. Claro que pode sempre requisitar o livro na Biblioteca.


domingo, 1 de julho de 2018

"O Deus das Moscas" - uma sugestão de leitura

(A requisitar na Biblioteca)


"Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 3º ciclo, destinado a leitura autónoma.

Publicado originalmente em 1954, O Deus das Moscas é um dos mais perturbadores e aclamados romances da atualidade.

Um avião despenha-se numa ilha deserta, e os únicos sobreviventes são um grupo de rapazes. Inicialmente, desfrutando da liberdade total e festejando a ausência de adultos, unem forças, cooperando na procura de alimentos, na construção de abrigos e na manutenção de sinais de fogo. Porém, à medida que o frágil sentido de ordem dos jovens começa a fraquejar, também os seus medos começam a tomar sinistras e primitivas formas. De repente, o mundo dos jogos, dos trabalhos de casa e dos livros de aventuras perde-se no tempo. Agora, os rapazes confrontam-se com uma realidade muito mais urgente - a sobrevivência - e com o aparecimento de um ser terrível que lhes assombra os sonhos."

Inquietante e perturbador!
Pode ler um pouco do livro clicando sobre a imagem.


Para conhecer algumas opiniões sobre o livro clicar aqui, aqui e aqui.
E porque não ver o filme depois de ler o livro?
É só ir por aqui.

terça-feira, 26 de junho de 2018

Lendas e Contos Populares de Portugal


Aconteceu, na noite do dia 13 de junho, o lançamento do livro  "Lendas e Contos Populares de Portugal".
Ele é o resultado do trabalho realizado pelas Crianças e Educadoras dos JI e os Alunos e Professores das EB do 1º CEB do Agrupamento de Escolas de Gondomar nº 1, no Projeto dinamizado pelas Bibliotecas Escolares do Agrupamento "LER COM OS AMIGOS… AINDA É MELHOR!"
















segunda-feira, 25 de junho de 2018

Aconteceu o concurso "Conta-me uma história"


Aconteceu no passado dia 14 de junho o Concurso de Contadores de Histórias "Conta-me uma história". Participaram 13 alunos e alunas do 2º e 3º Ciclos que nos encantaram com a sua forma particular de contar histórias.

A Coordenadora da Biblioteca referiu que contar histórias é uma atividade ancestral, uma atividade que  ligava famílias, que perpetuava a memória das comunidades. Um pouco esquecidas, elas voltam, hoje em dia, pela voz de contadores de histórias que nos levam para outros tempos, outros mundos.

As razões que nos levam a contar histórias, dizia,  são diversas, múltiplas e contou a história de um homem que, "cansado de ver as pessoas de sua cidade sempre tensas, angustiadas e tristes, resolveu fazer algo por elas.
Como sabia de cor lindas histórias, sentou-se num banquinho no meio da praça e pôs-se a contar e a contar…
E assim o contador de histórias passava seus dias…
A princípio, algumas pessoas paravam para ouvi-lo, curiosas. Mas só ficavam um pouquinho, pois tinham muita pressa, seu tempo era curto!
Mesmo assim, o homem não desistia: todos os dias, punha o seu banquinho na praça e contava as suas histórias repletas de fantasia.
O tempo passou..
Um dia o contador de histórias narrava, para uma plateia inexistente, uma maravilhosa fábula, quando um garotinho, puxando-o pela manga, interrompeu-o:
– Ei, tio! Será que você não percebeu que não tem ninguém ouvindo? Por que você insiste em contar essas histórias?
Então, o sábio homem respondeu:
– Olhe, meu filho, antes eu contava histórias pensando em mudar o mundo; hoje, eu conto histórias para que o mundo não me mude…"

Fosse qual fosse a razão que motivou estes pequenos contadores, ouvimos as suas histórias, o júri ouviu as suas histórias e avaliou cada uma das participações nos seguintes parâmetros: dicção, correcção linguística, linguagem corporal, expressividade, organização das ideias/ progressão da história, conhecimento, segurança e autoconfiança a contar a história. 
Não teve tarefa fácil! Todos estiveram muito bem!! No entanto, no final, e porque só podia haver um premiado em cada escalão, os vencedores foram, no 2º Ciclo, a Ana Moreira do 6ºB e, no 3º Ciclo, a Matilde e a Maria do 7ºC.
Muitos parabéns!












sexta-feira, 22 de junho de 2018

A Casa do João nº4


Saiu o nº4 da revista de Literatura Infantil e Juvenil dirigida a crianças, pais, educadores e professores, da responsabilidade do escritor João Manuel Ribeiro, "A Casa do João". Ela pode ser lida aqui ou descarregada aqui.

Os temas deste trimestre são:

EDITORIAL
Viva a brincadeira!
UM CONTO POR DIA DÁ SAÚDE E ALEGRIA!
Fábulas e Historietas
de Acácio de Paiva
UAU
As crianças, a brincadeira e os brinquedos…
por João Amado
OS NOSSOS PARCEIROS
IV Festival / Concurso Internacional de Guitarra de Amarante
O MISTÉRIO DA ESCRITA
Viva quem escreve para a infância e juventude!
Alguns autores
HORÓSCOPO DA LEITURA
LEMOS, GOSTÁMOS E…RECOMENDAMOS!
APROVEITA E EXPLORA
Dicas de escrita
A PALAVRA É TUA
Pequenos grandes escritores
PARA BRINCALHARES
SAIU NA IMPRENSA
NOTÍCIAS


As outras revistas podem ser lidas seguindo por aqui.

sábado, 16 de junho de 2018

Férias!!

Pois, terminaram as aulas, chegaram as férias! Tanto tempo livre!! Que fazer?
Edith Chacon Theodoro dá-nos um conselho!

Ler sempre.
Ler muito.
Ler quase tudo
Ler com os olhos, os ouvidos, com o tacto, pelos poros e demais sentidos. 
Ler com razão e sensibilidade.
Ler desejos, o tempo, o som do silêncio e do vento.
Ler imagens, paisagens, viagens.
Ler verdades e mentiras.
Ler para obter informações inquietantes, dor e prazer.
Ler o fracasso, o sucesso, o ilegível, o impensável, as entrelinhas.
Ler na escola, em casa, no campo, na estrada, em qualquer lugar. 
Ler a vida e a morte.
Saber ser leitor tendo o direito de saber ler.
Ler simplesmente ler.

Porque


(Imagem de Paulo Galindro)


Onde procurar?
Pois, aqui sobre a imagem


(Clicar na imagem)

aqui.
(Clicar sobre a imagem)

aqui mesmo, neste blogue, ao lado, em "Histórias nas nuvens".


ou, em baixo, nas etiquetas.

Boas férias!!

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Net com Consciência - O Papel dos Pais


"Este é o nono episódio da Websérie "Net com Consciência" desenvolvida pelo Centro Internet Segura.

Joana e João estão no café a partilhar as histórias de família sobre a desinformação relativa à utilização da Internet. Felizmente, na ementa do café, constavam fortes doses de consciência.

Se os teus familiares e amigos têm dúvidas sobre quaisquer temáticas ligadas à utilização da Internet, coloca-os em contacto com a Linha Ajuda através do número 800 21 90 90 ou do email linhainternetsegura@internetsegura.pt."

Sabe mais sobre o Centro Internet Segura em www.internetsegura.pt